Prosa no Décor

Memória afetiva,guia pra uma casa com a sua cara

Memória afetiva no décor funciona?

Quando se trata de uma sala pra mãe e filha aproveitarem mais tempo juntas, como essa que vou te mostrar, não pode dar errado  

Muita gente ainda tem a visão estereotipada de que usar memória afetiva na decoração resulta em uma casa “museu” como as das nossas avós e tias-avós no passado.

Eu confesso que, quando criança, tinha até medo de ir à casa de uma tia-avó….hahaha!

Neste post, divido os bastidores e os porquês deste projeto de sala Casa prosa Décor.

A memória afetiva funciona como a chave pra personalidade e aconchego que todos buscamos em casa.

É um guia poderoso pra tornar mais divertidas suas escolhas e criar uma casa que tem prosa pra contar!

Projeto sala bistrô

Sabe aquela coisa de “quero uma casa com a minha cara”?

Então, a memória afetiva é um ótimo ponto de partida.

Ela dá o tom do estilo! É só usar tudo com organização e uma dose de criatividade.

Nesta sala Casa Prosa, criada pra Debora (uma amiga querida resgatada da infância!) e sua mãe, a memória afetiva direcionou nossas escolhas e você verá que fica muito mais fácil e divertido seguir por esse caminho.

Vamos juntas?

Separei 6 dicas com base nesse projeto pra você aproveitar na sua casa:

1. O COMEÇO DE TUDO: DEFINIR A FINALIDADE DO ESPAÇO

Mas o que memória afetiva tem a ver com isso?!?  TUDO!!!

E se, além da função você incluísse seus pequenos prazeres, paixões e memórias no espaço?

Mesmo que você vá só mudar os móveis de lugar.

Perceba que, quando você acrescenta atividades prazerosas, o cômodo deixa de ser pura função e vai ganhando camadas de afeto.

MÃOS À OBRA!

Faça uma listinha do que você PRECISA e QUER fazer no seu cômodo.

Depois, distribua essas atividades pelo espaço e rearranje seus móveis de forma a atender todas elas.

Vou te mostrar como fazer isto de um jeito bem visual: o MAPA DE ATIVIDADES.

A nossa sala Casa Prosa tem um formato bem desafiador, pois tem uma varanda estreita e comprida integrada.

Na etapa inicial do projeto, costumo criar este MAPA DE ATIVIDADES, uma ferramenta bem visual onde a gente consegue avaliar se tudo foi atendido e também o peso dado a cada atividade.

Planejei três possibilidades – todas com nomes 🙂

memória afetiva guia também layout

memória afetiva guia também layout

Uma listinha PRÓS & CONTRAS ajuda na decisão.

Ao final, misturando tudo saiu uma quarta:

O importante é você imaginar sua rotina acontecendo ali e ver se vai funcionar.

   Que tal rascunhar seu MAPA DE ATIVIDADES agora?

 

2. DECORAÇÃO COMO “LEMBRETE” DE SONHOS

Durante o nosso processo criativo, a Debora me contou que já tinha feito curso de gastronomia e tinha sido dona de dois bistrôs.

O DÉCOR JOURNAL, nossa entrevista divertida e diferentona, foi parar até na terapia (adoro provocar essas reflexões!!!) e ela chegou à conclusão de que este sonho ainda estava guardadinho.

Além disso, ela gosta de cozinhar e receber amigos.

CONCLUSÃO: Não dá pra deixar que esse sonho se perca novamente. No mínimo, é algo prazeroso ter por perto e estar com os amigos. Então, criamos um “lembrete” dele, trazendo o charme de um bistrô pra sala de jantar. Ah e também a porta de vai-e-vem com visor que separa a cozinha lembra a de um restaurante (além de ser prática, claro!).

Tudo se encaixa!

Percebe como fica mais leve e divertido escolher assim? Eis a sala!

Como contei, o formato da sala com uma varanda integrada era bem diferente e, pra melhorar a circulação trouxe a área de jantar bistrô pra um cantinho mais intimista, que deixou a passagem livre.

Olha como estava apertada antes.

Usamos as mesmas mesa e cadeiras (com novo tecido) e criamos um canto alemão, uma ótima dica quando falta espaço pra uma sala de jantar.

Desenhei um banco baú de marcenaria que também guarda a coleção de CDs e serve como rack pra TV.

São  duas peças pra ganhar flexibilidade e poderem ser remanejadas em caso de mudança.

Não ficou um charme?!?

Exemplo puro de memória afetiva que deu o tom e a forma e função seguiram   

 

3. QUADRO DE COLEÇÃO DE POSTAIS 

Eu amo essa sala e toda a história que ela conta em cada escolha, mas esse quadro é especial porque foi feito pela Debora!

Durante o GARIMPO PESSOAL, que faz parte do processo criativo Casa Prosa Décor, eu peço pras minhas clientes fuçarem armários, gavetas em busca de coisas que gostem, mas que estejam esquecidas.

Ela me mandou uma foto dos postais jogados sobre a cama, dizendo algo como “Tenho esta coleção de postais de arte que trouxe de viagens…”  Na hora, veio a ideia do quadro! Ela comprou uma moldura pronta e voilà!

Mais memória afetiva à vista e sonhos de novas viagens pós-pandemia.

Os outros dois dos quadrinhos são desenhos da logomarca do antigo restaurante dela feitos por um amigo. Mais prosa pra contar!

Aliás, a tulipa no quadro me levou pra uma outra escolha: o pendente, que é uma obra de arte em papel da Iluminoo e remete à flor.

As escolhas pra sua casa podem ser leves e divertidas assim, te convenci?

 

4. NOVOS SIGNIFICADOS: BASE MÁQUINA DE COSTURA VIROU BAR

Base de máquina de costura é pura memória afetiva!

Já escrevi até um post aqui no blog com 10 ideias diferentes de como usar.

Esse é um arrependimento que tenho de não ter ficado com a máquina da minha avó…

Nesta sala, ela estava escondidinha num canto e tinha um tampo de mármore. Trocamos por um tampo de madeira em semi-círculo, formato sem quinas que favorece a circulação, e ela ganhou protagonismo como bar.

memória afetiva na decoração

Olha como ela estava escondidinha de “castigo” num canto escuro:

É  o exercício de um novo olhar de fora pro que talvez você já tenha cansado de ver.

Uma amiga também pode te ajudar com isso 😉

 

5. CANTINHO “PEQUENOS PRAZERES”

Minha bandeira por aqui! Acho que todo mundo merece um cantinho relax dedicado a suas paixões em casa  

A Matilde, nome da chaise da Debora (sim, ela também tem nome), é linda!

Ela contou que a usava muito na casa anterior, mas aqui estava meio abandonada e atravessada no meio da sala, meio exposta.

Matilde ganhou uma nova morada mais intimista acompanhada de luminária e dos livros queridos.

Um cantinho mais reservado para reflexão.

A parede do fundo da varanda ganhou revestimento de tijolinhos trazendo pra São Paulo um pouco da casinha das montanhas de Gonçalves que elas frequentam nos finais de semana. Mais escolhas baseadas em memória afetiva.

O quadro de árvore estava guardado e ela confidenciou que gostava de ficar contemplando em momentos de reflexão. Pefeito!

 

6. AGRUPAR MEMÓRIA AFETIVA

Em se tratando de memória afetiva, plantas, miudezas em geral, a dica décor é AGRUPAR!

Já até comentei isto neste outro post.

Juntamos as memórias de mãe e filha em uma parede galeria com quadros, objetos, fotos e livros cheios de história.

E repara a simplicidade: prateleiras + tinta na parede.

memória afetiva agrupada na parede galeria

A cadeira, que era da bisavó da Debora, além de memória afetiva, é funcional porque serve como apoio para tirar os sapatos já que está próxima à entrada.

A mesma estratégia foi usada com as plantas: reunimos todas na varanda sobre o aparador rústico feito pelo pai dela.

Com isso, ainda recriamos um climinha de varanda italiana, que surgiu nas referências dela durante nosso Décor Journal.

Esse é o projeto e ela está cuidando deste retoque final agora:

O aparador também vai aparecer mais no vão central.

A varanda, portanto, virou refúgio para momentos de silêncio, com a chaise, as plantas e um cantinho com cadeira e pufe pra tomar um chá.

O aparador ANTES:

Quando falo que a cliente Casa Prosa curte o processo criativo, o caminho, é isso: a Debora mergulhou na vibe,  garimpou tuuudo dentro de casa, mandou fotos e posicionamos cada objeto e quadro.

Ainda hoje segue adicionando detalhes que ela mesma garimpa ou faz  

Quis mostrar esse projeto pra que você veja como pode simplificar e pautar suas escolhas pela leveza da sua memória afetiva.

Se colocar qualquer coisa em prática, promete que me manda uma fotinho?

Deixe uma resposta